Na tarde dessa quinta-feira (06), foram discutidos dois artigos no GT Comunicação e Cidadania, “Políticas de comunicação comunitária na transição para a TV digital na Espanha e no Brasil”, do professor do Curso de Comunicação Social e dos Programas de Estudos Pós-graduação em Política Social e de Pós-graduação em Mídia e Cotidiano da Universidade Federal Fluminense (UFF), doutor e mestre em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP), Adilson Vaz Cabral Filho. Com relatoria da professora visitante do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais, doutora em Comunicação pela Université Paris Ouest Nanterre e UFMG (cotutela) e pesquisadora associada ao Grupo de Pesquisa em Imagem e Sociabilidade (GRIS/PPGCOM/UFMG), Maria Terezinha da Silva.

O artigo propôs refletir sobre as políticas de comunicação com foco na comunicação comunitária como engajamento social que reverbera no comportamento da sociedade.

O segundo trabalho da tarde foi “A participação social na regulação da mídia no Canadá: lições para o Brasil?”, do pesquisador doutor em Comunicação e docente na Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Edgard Rebouças. Com relatoria da doutora pela University of  Westminter, pós-doutora pela Royal Holloway University of London e professora do  Departamento de Mídia da Bournemouth, Andrea Meyer.

A pesquisadora analisou comparativamente modelos de regulação da mídia no Brasil e Canadá, destacando elementos que podem ser adotados aos modelos brasileiros. Propõe uma abertura no debate o que dificilmente ocorre no Brasil.

No final da tarde os pesquisadores do GT Comunicação e Cidadania fizeram um balanço do encontro. Para Juciano Lacerda (UFRN) o GT apresentou a “cidadania relacionada a comunicação pública em espectro amplo envolvendo políticas da comunicação. Então essa pluraridade foi bem interessante. Destaco também a qualidade dos pareceres que são fundamentados teoricamente. Existe um solidariedade cientifica que é um exercício de cidadania científica que fizemos aqui no GT…é um GT novo mas, que não vem com modelos velhos, vem em uma perspectiva interessante”, destacou. “Senti um espírito de coesão com as pessoas querendo contribuir”, afirma Andrea Meyer (Departamento de Mídia da Bournemouth University). “Foi valioso pela possibilidade de ter contato com temas diversos, segundo ponto, a experiência desse GT traz o que é de mais valioso no congresso que é somar, e agradeço as contribuições, pois eu saio daqui com ideias para enriquecer o trabalho, também parabenizo pela forma como foi conduzido”, disse Aliciane Oliveira (UFMG).

Confira todos os artigos do GT Comunicação e Cidadania.