O segundo dia da Compós 2013 no GT Comunicação e Cidadania começou com a apresentação do artigo “Lógicas, práticas e vivências de cidadania em telecentro e lan houses na Região Metropolitana de Natal-RN“, de Juciano Lacerda (UFRN) que fez um levantamento do número de telecentros e lan houses em Manaus. Para o autor existe uma polaridade entre uso e apropriação da internet nesses locais. Em alguns trabalhos consultados pelo autor existe a definição de que quando acontece nos telecentros só uso não tem uma dimensão cidadã, a ideia de cidadania começa quando ocorre a apropriação, mas não argumentavam teoricamente o que era cada coisa, por isso acabei me debruçando nessa questão”. O pesquisador Juciano Lacerda observou no trabalho de campo que “existe uma grande busca por serviços e menos acesso a jogos nos telecentros”. Os relatores foram Raquel Paiva (UFRJ), Leonardo Custódio (Universidade de Tampere) e João Paulo Malerba (UFRJ).

“Sindicato como instrumento (limitado) de organização e mobilização da classe trabalhadora”, com essa afirmação o pesquisador Rozinaldo Miani desenvolve a apresentação do seu artigo “A construção de uma nova postura política no sindicalismo brasileiro: o sindicato cidadão nas páginas da imprensa sindical” — Rozinaldo Antonio Miani (Universidade Estadual de Londrina). Com relatoria de Denise Cogo (UNISINOS-RS), Catarina Teresa Farias de Oliveira (Universidade Federal do Ceará) e Daniel Barsi Lopes (FANOR/CE e FCRS/CE).

Um dos conceitos apresentados durante a apresentação foi o de ‘sindicalismo de resultados’ no qual defende que não existe contradição nos interesses dos patrões e empregados e os conflitos devem ser administrados e conciliados. Miani tem experiência de duas décadas trabalhando com comunicação sindical e afirma com propriedade que “a imprensa sindical é uma importante estratégia para atuação política dos sindicatos”, destaca.

O último trabalho da manhã foi “SEPPIR.GOV.BR: uma comunicação militante” dos pesquisadores Alicianne Gonçalves de Oliveira (UFMG) e Alexandre Barbalho (UECE e UFC), com relatoria de Tiago Mainieri e Aldenor da Silva Pimentel. O artigo analisa as narrativas que a comunicação da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), ligado à Presidência da República, coloca à disposição da esfera pública brasileira quando o tema é a questão racial no país. Para a autora “a internet proporciona à secretaria (SEPPIR) a relação com outras secretarias e órgãos para ajudar a disseminar a temática racial”, afirma a pesquisadora Alicianne Gonçalves.