Pirataria, auto-monitoramento pela teoria ator-rede e redes sociais de interpretação foram destaque na manhã de quinta-feira, 06, no GT de Comunicação e Cibercultura. O primeiro artigo a ser apresentado foi “Notas sobre a pirataria de games no Brasil: inclusão (digital) dos pobres e games como fomentadores de resistência”, do doutorando José Messias (UFRJ).

A partir de uma análise da comunidade “Brazucas” na rede social Orkut, Messias conclui que as subjetividades envolvidas na pirataria de games põem em movimento redes de sociabilidade, processos de autoformação e tutoria, manipulação de dispositivos técnicos complexos, além do estímulo à produção criativa e livre.

Na sequência, foi debatido o artigo de Liliane da Costa Nascimento e Fernanda Bruno (UFRJ): “Quantified Selves: contar, monitorar e conhecer a si mesmo através de números”, que tem como metodologia a teoria ator-rede. Por fim, Claudio Cardoso Paiva apresentou o artigo “O julgamento do mensalão e as redes sociais de interpretação: pistas para uma hermenêutica  da comunicação e cultura midiática compartilhada”.

O download dos artigos pode ser feito aqui.